últimas
NOTÍCIAS
Bolsonaro disse para Lula: O seu governo foi o mais corrupto da História
Aliados festejam desempenho de Bolsonaro no JN
Alexandre de Moraes marca encontro com ministro da Defesa
Petrobras anuncia terceira redução da gasolina em um mês
Rosa Weber envia à PGR pedido contra Alexandre de Moraes por prevaricação e ativismo judicial
Saúde

Antiviral pode ser eficaz no combate à infecção por coronavírus

 Publicado dia .14/02/2021

Um estudo da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, mostrou que uma droga experimental, a EIDD-2801, pode ser eficaz no combate à infecção pelo novo coronavírus e no tratamento da covid-19. Os resultados, publicados na revista Nature, indicam que o medicamento consegue interromper a proliferação do vírus dentro do corpo humano e até prevenir a entrada dele em células humanas.

Os testes, até o momento, foram realizados em animais dentro de laboratórios. Estudos de fase 3, que buscam atestar a segurança e eficácia da droga em seres humanos, ainda estão sendo organizados.

Em laboratório, roedores transplantados com tecidos de pulmão humano infectado pelo novo coronavírus receberam oralmente o medicamento. De 24 horas a 48 horas antes de tomarem a droga, os próprios camundongos foram expostos ao vírus para garantir a infecção. A cada 12 horas, eles tomavam mais uma dose do remédio.

Segundo J. Victor Garcia, um dos autores do estudo e diretor do Centro Internacional para Avanço da Ciência Translacional, os animais que começaram o tratamento 48 horas após a exposição ao vírus tiveram resultados animadores, com redução de 96% da carga viral. E os camundongos que receberam o medicamento 24 horas depois de infectados tiveram resultados ainda melhores.

“Descobrimos que o EIDD-2801 teve um efeito notável na replicação viral após apenas 2 dias de tratamento –uma dramática redução de mais de 25.000 vezes no número de partículas virais no tecido pulmonar quando iniciado 24 horas após a exposição ao vírus”, disse Garcia no anúncio dos resultados.

Além da eficácia no combate à infecção em animais, os pesquisadores também testaram a capacidade da droga em prevenir o desenvolvimento da covid-19. Para isso, um 3º grupo de roedores foi separado e medicado 12 horas antes da exposição ao coronavírus. Os animais continuaram a receber a droga a cada 12 horas após a infecção.

Segundo os resultados, a carga viral diminuiu 100 mil vezes nos tecidos de pulmão humano presentes nos camundongos. Isso indica que a droga também tem potencial para prevenir a manifestação da doença.

Outro ponto investigado no estudo foi se a EIDD-2801 poderia ter um efeito similar sobre outros coronavírus causadores de síndromes respiratórias aguda graves, como o Sars e o Mers, responsáveis por surtos em 2002 e 2012, respectivamente. Os resultados foram positivos e indicam a possibilidade de prevenção de futuras pandemias.

“No geral, esses resultados indicam que o EIDD-2801 pode não apenas ser eficaz no tratamento e prevenção de covid-19, mas também pode ser altamente eficaz contra futuros surtos de coronavírus”, explicou Ralph Baric, outro autor do estudo e professor de epidemiologia da Universidade da Carolina do Norte.

Para que esses benefícios sejam confirmados, é necessário que a droga passe pela fase 3 de um estudo clínico. O uso em humanos e a incorporação em possíveis tratamentos de saúde depende da aprovação de agências sanitárias reguladoras.


Compartilhe:


Qual sua Reação:

-- Publicidade --


infolango recargas

-- Fim da Publicidade --

Topo

  PREVISÃO DO TEMPO


  PREVISÃO COMPLETA  
    Parler   Facebook   Pinterest   Twitter   Youtube   WhatsApp
   Logo-MW
  VISUALIZAÇÕES
128933