últimas
NOTÍCIAS
Bolsonaro disse para Lula: O seu governo foi o mais corrupto da História
Aliados festejam desempenho de Bolsonaro no JN
Alexandre de Moraes marca encontro com ministro da Defesa
Petrobras anuncia terceira redução da gasolina em um mês
Rosa Weber envia à PGR pedido contra Alexandre de Moraes por prevaricação e ativismo judicial
Política

Presidenciáveis já criticaram o sistema eleitoral brasileiro

 Publicado dia .20/07/2022

Pré-candidatos ao Palácio do Planalto atacaram o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira, 19, em virtude das críticas do chefe do Executivo às urnas eletrônicas. No passado, contudo, esses personagens repetiram Bolsonaro. A seguir, acompanhe a seleção realizada pela Revista Oeste:

Lula

“É uma pena que o Brasil não tenha um presidente que chame 50 embaixadores para falar sobre algo que interesse ao país”, escreveu o petista. “Emprego, desenvolvimento ou combate à fome, por exemplo. Ao invés disso, conta mentiras contra nossa democracia.”

Em 6 de junho de 2002, meses antes da eleição presidencial, Lula pôs as urnas eletrônicas em xeque. “Nada é infalível, só Deus”, disse. “Vamos pegar o que aconteceu aqui, quantas denúncias já foram feitas de defunto que vota, de cidades que têm mais eleitores do que habitantes.” Para ele, dado esse histórico, “não sabemos se a urna pode ser manipulada ou não”.

Simone Tebet

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) também se pronunciou nas redes sociais. “O Brasil passa vergonha diante do mundo”, escreveu a parlamentar. “O presidente convocou embaixadores e utilizou de meios oficiais e públicos para desacreditar mais uma vez o sistema eleitoral brasileiro. Reforço minha confiança na Justiça Eleitoral e no sistema de votação por urnas eletrônicas.”

Há sete anos, no entanto, a congressista defendeu a impressão do comprovante do voto. Tebet apoiou a derrubada do veto da então presidente, Dilma Rousseff, ao voto auditável. “Será que o meu voto depositado na urna, depois de processado, se concretiza?”, questionou, em uma entrevista. “Então, para que o eleitor tenha tranquilidade, e ele possa saber que a partir de 2016 e 2018 ele vai ter a comprovação, nós optamos por derrubar o veto de Dilma.”

Ciro Gomes

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) também entrou no rol dos que atacaram Bolsonaro. Segundo o pedetista, o presidente “cometeu vários crimes de responsabilidade”. “Temos de buscar instrumentos legais para retirá-lo do cargo”, publicou Ciro.

Há um ano, Ciro defendeu a adoção do voto auditável para “aperfeiçoar a urna eletrônica”. “Qual o problema em tornar um sistema, que já é bom, em um sistema melhor?”


Compartilhe:


Qual sua Reação:

-- Publicidade --


infolango recargas

-- Fim da Publicidade --

Topo

  PREVISÃO DO TEMPO


  PREVISÃO COMPLETA  
    Parler   Facebook   Pinterest   Twitter   Youtube   WhatsApp
   Logo-MW
  VISUALIZAÇÕES
128933