últimas
NOTÍCIAS
Bolsonaro disse para Lula: O seu governo foi o mais corrupto da História
Aliados festejam desempenho de Bolsonaro no JN
Alexandre de Moraes marca encontro com ministro da Defesa
Petrobras anuncia terceira redução da gasolina em um mês
Rosa Weber envia à PGR pedido contra Alexandre de Moraes por prevaricação e ativismo judicial
Justiça

Ministro André Mendonça cobra informações sobre o fundão

 Publicado dia .12/01/2022

 

O ministro André Mendonça, recentemente empossado no Supremo Tribunal Federal (STF), cobrou informações do executivo e do Congresso Nacional sobre a aprovação do “fundão” eleitoral de R$ 5,7 bilhões para bancar as eleições deste ano.

O primeiro despacho do ministro na Corte foi proferido em resposta a uma ação apresentada pelo Partido Novo, que apontou supostas ilegalidades na criação do fundo.

Mendonça determinou um prazo de cinco dias para que o Executivo e o Legislativo apresentem as informações sobre o assunto. O magistrado também cobrou um posicionamento da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) em até três dias.

Depois de obter as informações solicitadas, Mendonça assegurou que pautará o tema para análise dos demais ministros do Supremo, em julgamento a ser realizado em plenário.

“Em homenagem à segurança jurídica a ser necessariamente promovida pela jurisdição constitucional, assim como diante da relevância do acesso aos recursos do FEFC no âmbito da decisão pela migração partidária e da igualdade de chances no pleito eleitoral, demonstra-se recomendável que está Corte aprecie de maneira colegiada o pleito cautelar aqui apresentado antes dos marcos temporais supracitados”, anotou o ministro do STF.

Na ação apresentada pelo Novo, a legenda pede que seja mantido o valor inicial do fundo eleitoral, em R$ 2,1 bilhões, para o pleito de outubro.

A legenda argumenta ainda que a proposta de cálculo do valor do “fundão”, aprovada por meio de uma emenda apresentada durante a tramitação do projeto na Câmara, não detalha a fonte de recursos para custear as despesas previstas — o que seria inconstitucional.

“Não foi por proposta do Poder Executivo, que é privativa por força constitucional, a nova fórmula de cálculo para o aumento discricionário do Fundo Eleitoral ocorrido quando da aprovação do Projeto da LDO 2022 pelo Congresso Nacional, o que faz com que exista um vício de constitucionalidade formal insuperável, que macula o aumento pretendido e escancara a intenção dos parlamentares em simplesmente aumentar os recursos disponíveis para as suas campanhas eleitorais à custa do Erário”, diz o Novo.


Compartilhe:


Qual sua Reação:

-- Publicidade --


infolango recargas

-- Fim da Publicidade --

Topo

  PREVISÃO DO TEMPO


  PREVISÃO COMPLETA  
    Parler   Facebook   Pinterest   Twitter   Youtube   WhatsApp
   Logo-MW
  VISUALIZAÇÕES
128933