Justiça

Trabalhadores demitidos por não se vacinarem procuram a Justiça

 Publicado dia .06/01/2022

A Justiça já recebeu mais de 700 processos de trabalhadores demitidos por não se vacinarem contra a covid-19. Eles reivindicam o direito de escolher se irão utilizar ou não os imunizantes sem perder o emprego.

A maior parte deles, quase 70%, ainda não foi julgado. Entretanto, 88 queixas foram consideradas parcialmente procedentes. Além disso, 18 decisões deram ganho de causa aos reclamantes demitidos por recusa da vacina, e 42 aos empregadores.

O levantamento é da Data Lawyer, empresa focada em soluções tecnológicas para o meio Jurídico. Os resultados foram divulgados pelo site 6 minutos, do portal UOL, que obteve a pesquisa em primeira mão.

Em 12 de novembro, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu os trechos da portaria do governo federal que, editada pelo Ministério do Trabalho e Previdência, proibia as demissões por recusa da vacina. A regra considerava a “prática discriminatória”. O magistrado alegou que pesquisas científicas indicam que a vacinação como principal meio evitar a disseminação do coronavírus.

“Existe de fato uma indefinição jurídica”, disse Cleber Venditti, advogado trabalhista ao 6 minutos. “Quando não há uma legislação expressa, pode haver diferentes interpretações. O STF já decidiu em 2020 que a vacina deve ser compulsória, não forçada. Ou seja: é possível implementar medidas restritivas, mas toda demissão pode ser questionada na Justiça do Trabalho.”


Compartilhe:


Qual sua Reação:

-- Publicidade --


infolango recargas

-- Fim da Publicidade --

Topo

  PREVISÃO DO TEMPO


  PREVISÃO COMPLETA  
    Parler   Facebook   Pinterest   Twitter   Youtube   WhatsApp
   Logo-MW
  VISUALIZAÇÕES
134504